Fora do Padrão?

 

Frequentemente as pessoas buscam atendimento com nutricionista para emagrecer. Quando questionadas o porquê do emagrecimento, as respostas variam entre se sentir mais bonita, encontrar um namorado, encontrar um emprego ou simplesmente porque “estou fora do padrão”.

Padrão? Qual padrão?

Até a Barbie, boneca mais vendida no mundo não tem mais padrão e as mulheres ainda insistem em se encaixar em algum padrão. O padrão tem um forte influenciador por trás sempre, que é o mercado. Os mercados milionários ligados ao corpo padrão que mais faturam são o da dieta, da indústria farmacêutica e da pornografia. Se olharmos pra trás quando o bonito era ser gordinho, quando a mulher ser grande era sinal de que seria uma boa mãe, a maioria das pessoas eram magras e a gordura estava associada com sinal de riqueza, já que muitas pessoas passavam fome.

Hoje, que vivemos em um ambiente obesogênico, no sentido de que temos acesso a comida a qualquer horário do dia em qualquer quantidade, por preços super acessíveis, o padrão de beleza é a magreza.

 

Sim. A conta não fecha. O resultado de tudo isso, é uma insatisfação geral com seus corpos, principalmente mulheres que ainda sofrem mais pressão do que os homens. A magreza não é sinônimo de saúde. Muitas vezes é sinal de doença como no caso dos Transtornos Alimentares. O que acontece é que a sociedade reforça comportamentos doentes. No filme “ O Mínimo para viver” disponível na Netflix, a personagem que interpreta uma menina com Anorexia Nervosa, refere que estava (na vida real) entrando no carro de sua mãe na época em que estava se preparando para o filme e escutou de uma vizinha: “ nossa, como você está bem, quero saber o que anda fazendo!” e a Lily Collins (atriz) comentou com a mãe: “essas doenças só existem porque são reforçadas pela sociedade”.

Elogiar alguém quando a pessoa emagrece, é algo clássico. Porque não é legal esse tipo de comentário? Porque a gente não sabe como a pessoa chegou até lá. A ideia é que quem acha que quando emagrecer vai se sentir mais bonita ou arranjar emprego ou arrumar namorado é FALSA. Dificilmente uma pessoa que está acima do peso que não se gosta, vai se gostar se perder peso.

A gente tem que ser amar independente do padrão atual, porque o padrão muda e a gente fica.

Certamente não é uma tarefa fácil para quem vive em guerra com a comida e com o corpo, quem vem de uma vida de insucesso de dietas. A culpa é da dieta que não funciona e não de quem tentou segui-la. A ciência vem reforçando cada vez mais que a obesidade está crescendo e que nunca se fez tanta dieta. Se dieta funcionasse, o problema de obesidade estaria resolvido, não?

Então anota aí, qual a ideia para elevar sua autoestima e entrar em uma relação saudável com o seu corpo:

 

  1. Pare de ficar se analisando na frente do espelho. Use o espelho somente para o que ele é necessário como passar maquiagem, colocar a lente de contato, ver se a roupa combina. No que será que ajuda ficar um tempão na frente do espelho se odiando? Em nada. Nadinha. Então pare, ok?
  2. Procure ajuda. Se você tem um sofrimento grande com o seu corpo, procure por ajuda psicológica e uma nutricionista comportamental, são os profissionais mais indicados para auxiliar. Buscar ajuda é sinal de que você está sendo forte.
  3. Não deixe que lhe digam o que comer. Faça as pazes com a comida. Diga não a dieta, a indústria do emagrecimento, procure cuidar de você mesma com carinho. Com calma.

 

Atenciosamente,

Tamara Chazan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *